Amorizade

Amor + Amizade – Termo de Luandino Vieira

Ser mãe 06/05/2012

Filed under: família — jacky @ 8:59 am

Ser mãe

Ser mãe é criar um projecto de ti na minha mente e depois gerá-lo no meu corpo.
Ser mãe é ter em sintonia os nossos batimentos cardíacos.
Ser mãe é abdicar do sono, do descanso e da comodismo para te tornar prioridade.
Ser mãe é não precisar de mais nada além do teu sorriso feliz.
Ser mãe é pintar quadros com esponjas, moldar plasticina, montar beyblades e barcos de piratas da playmobil.
Ser mãe é coleccionar pandas e cães dálmatas só porque gostas.
Ser mãe é jogar Mário kart e outros jogos na gamecube e na playstation para te fazer companhia.
Ser mãe é moldar plasticina, imprimir desenhos giros para pintar e saber de cor todas as canções infantis.
Ser mãe é saber na ponta da língua os 151 pokémons e as digivoluções dos digimons e todos os nomes técnicos dos dinossauros.
Ser mãe é passar horas a fazer-te um fato calculadora e um fato panda para desfilares no Carnaval.
Ser mãe é estar contigo enquanto fazes os deveres e até ensinar os teus amigos só para ser mais divertido fazê-los juntos.
Ser mãe é deixar-te dar canja ao teu peluche panda à colher e depois ter de limpar o sofá e dar banho ao boneco.
Ser mãe é passar noites sem dormir a vigiar febres, a dar remédios, a medir temperaturas e acarinhar-te quando tens pesadelos.
Ser mãe é juntar pão para ires alimentar os patos.
Ser mãe é inscrever-me no karaté para te ensinar os katas.
Ser mãe é acordar-te para te levar à escolinha e deitar-te mesmo quando queres estar acordada.
Ser mãe também é lembrar-me que preciso de te cortar as unhas quando me arranhas as mãos com as tuas garras de leoa.
Ser mãe é lembrar-me que tens de tomar banho, é suportar o cheiro do teu desodorizante preferido mesmo não gostando.
Ser mãe é passar a ferro a tua t-shirt favorita e mais uma tonelada de roupa tua que se vai acumulando.
Ser mãe é ter dias de andar em modo zombie mesmo depois de tomar 2 ou 3 cafés.
Ser mãe é ensinar-te a cantar, a dançar, a jogar à bola, a andar de bicicleta e de patins. O que quiseres…
Ser mãe é ir à praia todos os dias durante 15 dias porque te faz bem, mesmo não gostando.
Ser mãe é vigiar o que comes para seres uma pessoa equilibrada.
Ser mãe é ensinar-te a cortesia, dizer olá, por favor e obrigada porque ser bem educado vai abrir-te muitas portas.
Ser mãe é transmitir-te os valores que os meus pais me transmitiram e acarinhar os meus próprios pais pois não há nada de melhor do que o exemplo.
Ser mãe é fazer-te a tua comida e sobremesa preferidos, mesmo sabendo que vou ter mais trabalho, mas que te vai deixar feliz.
Ser mãe é abdicar de comprar coisas para mim para te poder dar a ti.
Ser mãe é querer ser feliz porque se eu for, poderei transmitir-te essa alegria de viver como maior legado de vida.
Ser mãe é andar tão cansada que há dias te apetecia ficar a dormir durante uma semana e apagares tudo à tua volta.
Ser mãe é ser humana, é ter consciência das minhas falhas e tentar melhorar-me para o teu bem.
Ser mãe é não te deixar fazer o que te dá na real gana só para não me chatear porque quem ama, educa e não se está nas tintas.
Ser mãe é dar-te liberdade e autonomia para errares e aprenderes porque não és meu Mário, nem és minha, Sara, são do mundo e é nele que vão viver quando eu já não cá estiver.
Ser mãe é o meu papel principal, o que eu mais gosto de fazer na vida e o que me faz mais feliz.
Adoro-vos Mário e Sara!

A mãe Jacqueline Lima
(06.05.2012)

 

Cartas a Sara 21/10/2011

Filed under: família,jacky — jacky @ 7:26 pm

Sara,
Hoje morreu uma menina chinesa de 2 anos, que estava a andar sozinha num mercado movimentado e foi atropelada por uma carrinha. Esteve assim a agonizar na estrada enquanto as pessoas passavam e não fizeram nada. Depois, ainda voltou a ser atropelada e continuou assim a sofrer sem ninguém sentir qualquer tipo de compaixão.
Ao fim de 7 minutos, veio finalmente uma senhora fazer alguma coisa. A menina sofreu múltiplas fracturas e teve morte cerebral. Acabou por falecer hoje. Não sei porque vi as imagens. Já sei que não posso ver crianças a sofrer porque me choca muito e depois fico a chorar e fico triste durante muito tempo. Acho que as vi porque não queria acreditar que isso fosse possível. Mas foi.
Infelizmente, na China, a vida de uma menina não vale muito. Ainda há países em que as mulheres são consideradas inferiores e portanto, se morrer mais alguma, não faz grande falta. Tu e eu, minha filha, tivemos a sorte de nascer num continente e num país onde pudemos crescer de forma equilibrada e onde vai havendo cada vez mais oportunidades de igualdade entre homens e mulheres.
Filha, nunca deixes de ser mulher e de lutar pelos teus direitos. Luta por ti e pelas outras mulheres aos milhares que ainda sofrem de discriminação, maus tratos e abandono. Tem orgulho em seres mulher.
Adoro-te! (e hoje ainda mais porque sempre que morre uma menina da tua idade o mundo fica mais pobre e reforçam os meus sentimentos por ti)
21.10.2011

CARTAS A SARA
Tenho estado mais a escrever cartas à minha filha. Talvez um dia, dê origem a um livro.

 

Sara aos 2 anos e meio 06/05/2011

Filed under: família — jacky @ 10:56 am

A minha filha é linda (até aí nada de novo, podia ser feia que eu sempre a olharia como linda). Dizem que é parecida com o pai.

Gosto de a observar a lidar com os objectos e as pessoas. As conclusões a que cheguei são que é pormenorizada: gosta de alinhar os animais uns ao lado dos outros; é paciente, ontem esteve quase 10 minutos a tentar pendurar um enfeite de Natal em alguns fios do meu cabelo; é alegre, gosta de dançar e seguir coreografias; gosta de cantar e sabe várias canções de cor como a quinta do tio manel, doidas andam as galinhas, o cucu na floresta, algumas do canal panda e alguns genéricos de desenhos animados. Gosta de brincar com legos e com puzzles. Adora bolas por influência do irmão mais velho.
Adora ver o super why no canal panda, até bate palmas! Também gosta do ruca, do pocoyo, da princezinha, dos irmãos koala, e de tudo que tenha música.
Adora livros e tem imensos. Gosta que os leia e ela própria depois lê-os à sua maneira. Gosta de brincar às escondidas.
Adora o Kikas. Gosta de lhe segurar a trela quando o levamos a passear. Quando me esqueço de lhe dar de comer, ela vai ao armário da cozinha buscar a comida e coloca-a no lugar devido e apanha os bocadinhos que caem no chão e recoloca-os no lugar certo. Fala com ele e ri-se das brincadeiras dele. Costumamos fazer-lhe festas as duas dizendo: Kikinhas booooom, Kikinhas booooooom.
Não se dá bem com pessoas estranhas. Geralmente reage mal a primeiras abordagens, parecendo ser um pouco tímida. Adora os avós paternos e maternos. Faz imensas brincadeiras com eles principalmente com os avôs. Com o mano, é a loucura, gosta das coisas dele e imita tudo o que ele faz. Não é muito dada a beijos, mas dá muitos abraços!
Gosta de roupa e principalmente das que têm pandas. Adora pandas acima de tudo, mas também gosta de coalas e pinguins. Tem uma grande colecção de animais da schleiss. Está sempre a tirar sapatos e meias, preferindo andar descalça.
Ainda não fala muito bem, já diz palavras muito bem e outras que não se entendem. Contudo, compreendo quase tudo e quando não percebo, peço-lhe para me levar até onde ela quer e me mostrar o que pretende.
Gosta de por os pandas e os teletubbies sentados nas cadeiras, à mesa, a beber chá e dá-lhes de comer. Tem sentido de humor, ri-se espontaneamente variadas vezes.
Gosta do amarelo, distinguindo-o entre as outras cores. Também conhece o azul. Sabe contar muito bem até 7, que é o número de degraus que subimos todos os dias até casa.
Gosta de fazer as coisas sozinha desde muito cedo. Come sozinha desde os 13 meses com a sua mão. Porém, quando não consegue fazer algo, ou chora ou pede ajuda.
Não gosta de ter as mãos sujas, se tiver algo que cole, ou se ficar com as mãos borratadas com tinta ou outra coisa, pede-me para ir lavar as mãos. Digitinta com ela não funciona!
Adora esfregonas e vassouras. Estando em casa, não as consigo usar pois vem tirar-mas da mão para fazer ela! Gosta de brincar com água, de virar água de um recipiente para outro…
Já sabe fazer de conta e costumamos fazer uma brincadeira em que eu digo:
– Quem é a linda da mamã?
E ela responde:
– É o mano! E sorri!
Ao que respondo:
– Não, a linda da mamã não é o mano, é a Sara.
E ela repete o que eu digo, rindo 🙂

Eu sou uma pessoa holística, isto é, reparo nas coisas e nas pessoas no todo. Havendo um conjunto de árvores, vejo a floresta no seu todo. A Sara é pormenorizada, repara nos detalhes. Havendo um conjunto de árvores, ela descobre as folhas e os ramos. Por isso, acho que vamos fazer uma boa dupla, completando o que uma tem a mais e a outra a menos!

 

Dim dam doum 20/02/2011

Filed under: família,música — jacky @ 11:52 am

A minha filha adora isto!

 

Dlim dlão 15/02/2011

Filed under: família,música — jacky @ 7:45 pm

É difícil ler um livro de perna cruzada com uma criança de 12 quilos sentada em cima do pé a cantarolar dlin dlão, cabeça de cão… (porque se não a agarrar ela cai para trás e lá se vai a concentração) 😀

 

Ceirona 03/02/2011

Filed under: família — jacky @ 2:34 pm

Hoje deixei a Sara a chorar na creche, mais uma vez… Mas hoje doeu-me, porque não estava lá a V. para pegar nela ao colo e dar-lhe um beijinho. Estava uma estagiária que chamava: sara… sara… e ficou à porta a chorar e a ver-me partir. Não estava a fazer nada e contudo não foi capaz de se levantar da cadeira para fazer o que a V. sabe fazer tão bem…

O meu pai tem um conceito muito sábio que se aplica muito bem a este caso: que é o conceito de ceirona. O que é uma ceirona? É uma pessoa com uma grande ceira, isto é, um grande cu, que pesa e que «impede a pessoa de me mexer. Uma ceirona n…ão tem que ser necessariamente gorda, nem todos os gordos são ceironas. Ser ceirona tem a ver com a atitude. São aquelas pessoas que em vez de estarem sentadas estão estafeladas em cadeiras, que não se levantam nem que haja um terramoto ou um tornado, porque simplesmente assistem passivamente à sua própria vida ou então que só se mexem quando lhes interessa deixando para os outros o que elas próprias poderiam fazer…
A A. por exemplo não é uma ceirona! É uma super tudo: super mãe, super filha, super educadora, super amiga e tem peso a mais, mas isso não a impede de dar sempre o seu melhor e eu admiro-a muito por isso. 🙂
E triste fiquei por partir…
 

Estímulos 21/09/2010

Filed under: família — jacky @ 2:21 pm

Aqui em casa até o papel de cozinha é estimulante