Amorizade

Amor + Amizade – Termo de Luandino Vieira

Da escrita… 31/08/2005

Filed under: jacky — jacky @ 1:57 pm

Escrevo por egoísmo, por pura necessidade, porque simplesmente preciso. Escrevo desde que me lembro de ser gente. Aos 10 anos, já escrevia cartas para os meus amigos de férias e escrevia para comunicar. Escrevo em todo o lado, em papelinhos, no word, em blogues, em cadernos, nas toalhas de papel dos restaurante, sempre caoticamente e por impulso.

Escrever dá-me prazer. Escrever serve para canalizar a criatividade em estado selvagem que existe excessivamente em mim. Escrevo coisas reais mas escrevo sobretudo coisas fantasiadas e inventadas. Muitas vezes, quando me lêem, pensam que escrevo o que sinto e talvez assim seja. O problema é que sinto muito o que imagino e nem sempre o que vivo. O que escrevo pode ser um espelho do meu mundo interior mas raramente das minhas vivências do dia a dia.

Só para dar um exemplo, escrevo muitas vezes sobre o amor, um amor ideal. Gosto de sonhar com ele, de criar cenários, fantasiar sobre pessoas e locais, desejos e carícias, não necessariamente reais. Inclusive, estou a atravessar um período da minha vida muito estável emocionalmente e não estou apaixonada por ninguém. Não escrevo sobre o que me é muito íntimo. Quando me apaixonar, o mais certo é que não vou escrever sobre os meus sentimentos. Prefiro partilhá-los com quem vier a amar.

Escrevo porque sou criatividade, escrevo para converter tanta energia criadora em palavras, palavras que podem tocar quem as ler. Escrevo para comunicar contigo mesmo se nem sempre falo de mim. Escrevo para ti, é verdade. Gosto desta interacção da escrita que me liga a ti. Escrevo à espera da tua reacção porque me dá prazer dar-te prazer. Sempre gostei mais de dar do que de receber. Gosto de saber que o que te dou te agrada.

O meu blogue sou eu e dou a cara por ele, mas o meu blogue não é a minha vida, a minha história pessoal. O meu blogue é como a Autopsicografia de Fernando Pessoa:

O poeta é um fingidor,
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas da roda
Gira a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

O que eu escrevo pode ser sentido, pode ser imaginado e o que é lido, é sentido e imaginado de forma diferente, filtrado pelas grelhas de leitura de cada um, as suas experiências e os seus valores. Entre o que se escreve e o que se lê, há um mundo que varia infinitamente.

Escrevo por prazer, por necessidade, por diversão, por mim, por ti.
E tu, porque escreves?

 

Quantos são?

Filed under: jogos de palavras — jacky @ 12:24 pm


Kevin Whitlark

 

Quentura

Filed under: amor — jacky @ 12:21 pm

Amar é aquecer-te a alma com a quentura do meu corpo.
Amar é…

 

férias 30/08/2005

Filed under: turismo — jacky @ 12:58 pm

Gostei imenso da cidade de Faro, que praticamente não conhecia. Os meus conhecimentos da costa algarvia circunscreviam-se de Sagres a Vilamoura. Neste fim de semana, fiquei a conhecer o outro lado: Tavira, Vila Real de Santo António e a famosa praia de Monte Gordo de água quente.

Quero agradecer aos meus anfitriões o acolhimento caloroso, a simpatia e a boa disposição. Há muitos anos que não me divertia tanto! Também gostei de ter conhecido por acaso algumas caras por trás de dois blogues algarvios. No fundo, a blogosfera portuguesa é um mundo pequeno.

E pronto, o que é bom (debaixo dos lençóis) acaba depressa (no meio das pernas), e cá voltei para a mesmice do quotidiano…

 

LXXIII – Guardiã

Filed under: haikus da jacky — jacky @ 12:19 pm

Guardei na memória
Sabores, cheiros e carícias.
Guardo-te em mim…

jacky (26.08.05)

 

Zoo Marine

Filed under: turismo — jacky @ 11:29 am

zoomarine.jpg

Na 6ª-feira, eu e o filhote passámos o dia todo no Zoo Marine. Quando cheguei lá por volta das 11h, apanhei um susto porque não eram resmas de pessoas que estavam a chegar mas grosas e grosas! Pensei que ia ser um inferno! Mas não, as pessoas estavam todas bem humoradas.

Agora, o que eu não queria crer foi quando vi as mesas de madeira todas ocupadas com lancheiras cheias de comes e bebes, com toalhas por cima! Só mesmo em Portugal é que se vêem coisas dessas!!!

palhacadas.jpg

Apesar de os shows estarem um pouco desencontrados em termos de horários, ficar à espera foi divertido com a animação dos palhaços. As pessoas todas aderiam às brincadeiras com bom humor e risos. Gostei imenso!

Tinha ido ao Zoo Marine há uns anos e achei que estava muito maior e com muito mais divertimentos. Comprámos algumas recordações e tirámos muitas fotografias. Gostei do museu do zoo mas prefiro de longe o oceanário em termos de aquário.

golfinhos.jpg

Tenho um carinho especial por golfinhos, focas e leões marinhos e foi muito agradável estar na sua companhia durante 7h.

 

provérbios eróticos! 29/08/2005

Filed under: jogos de palavras — jacky @ 11:45 pm

Aprendi um jogo de palavras em Faro, com o qual me andei a divertir as férias todas, que é acrescentar à 1ª parte de um provérbio: debaixo dos lençóis e à 2ª parte: no meio das pernas.
A piada é que calha sempre certo e alguns ficam mesmo hilariantes.

Devagar se vai ao longe:
Devagar debaixo dos lençóis, se vai ao longe no meio das pernas!

Quem vai à guerra, dá e leva:
Quem vai à guerra debaixo dos lençóis, dá e leva no meio das pernas!

Quanto mais me bates, mais gosto de ti:
Quantos mais me bates debaixo dos lençóis, mais gosto de ti no meio das pernas!

Agora é a tua vez! Experimenta! Já agora, deixa aqui os teus provérbios e dizeres eróticos nos comentários para proveito de todos nós! 😀