Amorizade

Amor + Amizade – Termo de Luandino Vieira

Difamação 04/03/2007

Filed under: educação — jacky @ 3:02 pm

Gosto de ajudar toda a gente. Semear amorizade nos corações das pessoas costuma gerar afectos momentâneos ou até amizades que resistem ao tempo. Desde que sou adolescente, que gosto de ajudar crianças necessitadas a fazer os deveres para poderem quebrar o ciclo da miséria e da solidão, para poderem mais tarde ajudar outras pessoas, numa corrente de solidariedade.

Durante o 1º ciclo, ajudei 2 ou 3 meninos da turma do meu filho a fazer os deveres e fi-lo sempre sem ser remunerada pois o meu objectivo não era ganhar dinheiro. Um dos meninos que se juntou a nós mais tarde era bastante conflituoso, mas mesmo assim decidi ajudar a mãe dele pois tinha sido mãe de novo há pouco tempo e precisava de trabalhar. O menino quando eu não estava a ver, batia nas meninas se elas não fizessem o que ele queria e pior ainda, virava o meu filho contra mim, incitando-o a desobedecer-me. Tentei resolver o problema falando com o menino mas não consegui. Passados uns meses, decidi então falar com os pais para lhes explicar a situação pois era impossível trabalhar assim naquele ambiente, pois sempre que saía da sala ou atendia ao telefone, tudo voltava ao mesmo. Os pais embora não ficassem contentes, disseram que iam falar com o filho, que não podia ser assim e que não iria mais durante uns tempos de castigo.

Passadas umas semanas, comecei a reparar que as pessoas me olhavam de lado à porta da escola e acabei por descobrir que a mãe do menino andava a difamar-me a todos os que a quisessem ouvir e passara a ignorar-me em vez de me cumprimentar. Dizia mal de mim por todo e qualquer motivo. Como não sou de conflitos, nem de andar em contos e ditos, ignorei a situação e mantive a minha postura de quem não deve não teme, embora um pouco triste pela falta de gratidão da senhora pelos meses que passei a ensinar o filho dela. A difamação continuou até ao fim do 4º ano.

Quando este ano, passaram para o 5º ano, fiquei aliviada por ficarem em escolas diferentes. Achei que a difamação acabaria ali. Enganei-me. Ontem, descobri que continua a dizer mal de mim à mãe de uma menina que também era da turma do 1º ciclo e que ficou na mesma escola do meu filho. Arranjaram uma história escabrosa que ele andava a chamar nomes à menina. Como já começava a ser demais, liguei à mãe da menina para tentar esclarecer a situação. A senhora simplesmente começou a gritar comigo, a dizer que a educação que eu dava ao meu filho era insultar meninas e que estava ocupada e que lhe ligasse depois e desligou-me o telefone.

Que mal lhe fiz eu para me falar assim? Eu bem sei que é a mãe do menino que conversa com ela frequentemente que lhes esteve a encher a cabeça. Também sei que, agora, deve haver imensos pais lá na escola que vão começar a olhar de lado para mim, pois devem saber coisas a meu respeito que, por mais imaginação que eu tenha, possa descobrir. E agora pergunto-me: o que é que as pessoas ganham em difamar outras? São assim tão mesquinhas que a única forma de sobressairem das outras é enxovalhar outras que nada de mal lhes fizeram? Quando é que isto vai acabar? É que estou a cansar-me de tudo isto e hoje elas conseguiram deprimir-me…

Anúncios
 

20 Responses to “Difamação”

  1. Insueto Says:

    Meu Deus… estou sem palavras. Força.

  2. Yardbird Says:

    Tens mesmo que ignorar, senão lá andas tu deprimida. O principal é andares bem contigo.
    Beijinho grande

  3. Ana Says:

    Entendo o que sentes… mas só há mesmo uma forma… ignorar. Quem procede como dizes, não merece mais que indiferença.
    Força, Jacky.
    Um beijinho.

  4. marian Says:

    Não sei que diga, mas… continua a confiar em ti e a ser a tua melhor amiga. O tempo encarrega-se de muita coisa e relativiza muitos pontos críticos.
    Concordo que é uma grandecissima maçada esse panorama que descreves; podes tentar perceber as motivações da outra senhora, falando com quem ela fala… obviamente, ela está a ser incorrectíssima no modo como procede.
    um abraço

  5. Ceres Says:

    De facto, é incompreensível a motivação que leva as pessoas a sentir-se bem com o mal dos outros.
    Infielmente, essa gente existe e temos que aprender a viver com eles.
    Mas nada de depressões, isso é o que eles pretendem, destruir porque não conseguem igualar.
    Força, sei que és muito superior a isso

  6. matahary Says:

    Também seria da opinião “ignorar”, mas como já faz tanto tempo e a situação não acalma, eu enfrentaria a pessoa em questão. Normalmente, estas pessoas não têm coragem suficiente para encarar quem as enfrenta (por isso, fazem-no cobardemente). Na altura em que ainda estavam todos juntos, deverias ter convocado outra reunião e resolvido a questão à frente de todos, desmacarando-a, de forma honesta, sincera e calma, todavia segura, sempre senhora da situação.
    Faz o que te parecer melhor, só não te deixes consumir por dentro. E se resolveres falar com ela, seria bom que tivesses uma terceira pessoa contigo.

    Beijinhos

  7. Força querida Jacky 🙂
    Realmente deve ser dificil tentar ignorar essa situação e passar ao lado.
    Não percebo o que se passa na cabeça destas pessoas, afinal são essas que chegam à frente das escolas e dão porrada nos profs porque os seus meninos são uns mentirosos e eles burros (gente dessa nem devia ter filhos para não passar maus genes) nem conversam com ambas as partes para saber as duas versões. Todos nós, incluindo eu, temos familiares que são professores e as histórias são contadas na 1a pessoa e a mentalidade de muitos pais é miserável.
    Quem dera a eles darem aos filhos deles 1/3 do teu carinho, amor e amizade que dás ao teu filhote. Gente idiota!
    Decerto que conseguirás arranjar um desfecho sensato para a situação.

  8. São Rosas Says:

    Se precisares da «terceira pessoa» que sugere a Matahary, recomendo o João C***** Marcelino F***-se, que é cinturão negro e especialista em kick boxing

  9. r.filgueira Says:

    na minha opiniao – pessoal – creio que nao resolve o problema com a mudança de escola . Creio que arrasta ha bastante tempo o “mal-entendido”.
    O ignora os “comentários” ou vá a origem dos mesmos.

    Seja qual for a sua atitude, pf tome uma.
    um xi

  10. wind Says:

    Isso tudo é lamentável, só mostra a mesquinhez e mal formação das pessoas.
    Já percebeste que ignorar não dá, pois estás mal.
    Penso que deves falar com essa coisa, pois nem pessoa é, mas levar alguém contigo para servir de testemunha, para ela não alterar o que falarem.
    Muita força e beijinhos*

  11. Gotinha Says:

    ignorar não me parece uma boa opção senão a dita cuja fulana continuará a dizer o que muito bem entender.
    mas…. também não sei qual é a opção.
    Lamento que estejas embrulhada em situação tão absurda!!

  12. Cientista Says:

    Boa sorte na resolução do problema. Não sei até que ponto ignorar vai solucionar alguma coisa, eu diria que não, porque essa figura mostra uma persistência característica dos desocupados, mas… Cá estamos a torcer por ti!

  13. Bartolomeu Says:

    Eu tentaria resolver o insulto, recorrendo à inteligência, da seguinte forma.
    Escreveria o sucedido, em forma de conto infantil, rematando como nas fábulas, com o proverbial conceito moral. Depois afixaria a minha história num local visível para alunos e pais. Seria algo do estilo: Era uma vez uma senhora, mãe de um menino colega de escola do meu filho. Essa senhora, foi mãe de novo, por querer ajudá-la a si e au seu filho, dispuz-me a recebê-lo em minha casa e a ajudá-lo nos deveres, passados 4 meses…..
    No final: Recuso-me a acreditar, que por bem fazer, mal haver!!!

  14. Eu sei de quem estás a falar e simplesmente é inconcebivel o que te fizeram!Tu ajudas sempre as pessoas e muitas vezes nem “reparas” a quem o fazes e recebes isto de troco?!Mas que m*** é esta?! Olha se precisares da tal testemunha para ires lá falar, estou aqui…como sempre, a melga de serviço, mas que sabe o que te esforças por ajudar os outros e principalmente as crianças! Não contaste é que davas sempre lanche ao menino os dias em que ele ia aí!É demais! É ainda mais repugnante fazerem “histórias” e andarem agora a mentir mais e mais! Não tenho conselhos para te dar, mas a situação é complicada e se calhar deixar “andar” pode ser uma solução…mas só espero que isso não traga retaliações para o meu amigo especial!Tu és uma super mãe!!Beijos da tua C.

  15. Yuki Says:

    Inveja, pura inveja!
    Ai maldito pecado que as pessoas nem percebem o mal que fazem aos outros e a eles próprios por serem tão básicos, tão pequeninos…
    Força para as tuas decisões, coragem para as aguentares e lucidez para não desceres de nível!
    Um grd abraço do Sul

  16. Alexandre Says:

    Algumas pessoas têm formas de agradecimento muito caricatas. Passam do elogio à censura num instante, quando não obtêm seja lá o que for, que pretendem.
    No que toca aos boatos, a verdade acaba sempre vindo à tona. Não te apoquentes, sê tigre!

  17. jodoas Says:

    Oh minha amiga, fiquei estupefacto por verificar teres atribuído importância a quem não merece o mínimo de consideração. Esse tipo de gente é para, pura e simplesmente, ignorar a existência, embora infelizmente haja imensas pessoas desse tipo, os chamados ingratos que nem sequer sabem reconhecer quem lhes faz bem. Esquece o procedimento, porque podes ter uma certeza. Essa fulana que está a envenenar os outros mais tarde ou mais cedo vão eles reconhecer que efectivamente ela não presta e vai passar a ser ignorada pelos outros que agora a apoiam. Quando isso acontecer, lembra-te do que agora te digo. Um beijinho do Raul

  18. nena Says:

    Provérbio da manhã na tvi: “bondade e perdão só fazem ingratidão”.
    Como deves agir? Não sei, é algo complicado. Por norma ignoro, mas tenho a noção de que sou eu quem sai a perder.

  19. alegrão Says:

    Continua a ser assim. Como alguém diz aqui, essas pessoas acabam por ficar conhecidas como intriguistas porque têm sempre que eleger um odiozinho de estimação. Quando virem que de ti só têm desprezo, vão-se chatear e eleger um novo ódio.
    Um beijinho

  20. jacky Says:

    Queria agradecer a todos os comentários de apoio. Não pude tomar uma posição frontal contra as pessoas que me andam a difamar pois o que queriam era fazer-me uma cena à porta da escola, acho eu, e reagir só serviria para lhes dar azo a mais confusões.

    Para já, os ânimos arrefeceram e só preciso de manter as coisas como estão para não haver retaliações no meu filhote dentro da escola. Esperemos que o assunto morra aqui…

    Beijinhos insueto, yardbird, ana, marian, ceres, matahary, invisible girl, são rosas, r filgueira, wind, gotinha, cientista, bartolomeu, ponto azul, yuki, alexandre, raul, nena e alegrão 🙂 ****************


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s