Amorizade

Amor + Amizade – Termo de Luandino Vieira

Epanadiplose 18/01/2007

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 3:31 pm

21 – Epanadiplose

Recurso expressivo a nível sintáctico

Repetição da mesma palavra no princípio e no fim de um verso, de uma frase ou de uma sentença.

Ex: «Apagaste a candeia? Apagaste?»

 

Enumeração 10/01/2007

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:34 am

20 – Enumeração

Recurso expressivo a nível sintáctico

É a apresentação sucessiva de vários elementos.

Ex: «Madrid, Paris, Berlim, S.Petesburgo, o mundo!»

Cesário Verde

 

Elipse 09/01/2007

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:25 am

19 -Elipse

Recurso expressivo a nível sintáctico

  • É a omissão de um termo que o contexto ou a situação permitem facilmente suprir.

Ex: «A lua, um pequeno disco branco só, lá em cima.»

Luandino Vieira

  • ou omissão de palavras que se subentendem facilmente:

«tu, por aqui?»

«Nas ruas, nem uma pessoa.»

 

Disfemismo 08/01/2007

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:30 am

18 -Disfemismo

Recurso expressivo a nível semântico

Expressão que não atenua a realidade e que poderia dizer-se com uma só palavra:

Ex: em vez de morrer, bater a bota, esticar o pernil.

 É o recurso expressivo contrário ao Eufemismo.

 

Comparação 07/01/2007

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:04 am

17 -Comparação

Recursos expressivo a nível semântico

É uma aproximação entre dois termos ou expressões através de uma conjunção ou locução subordinativa comparativa (como, assim como, bem como, etc) ou de um verbo com função semelhante (parecer, lembrar, sugerir, assemelhar-se, etc). Leva à compreensão mais profunda de um termo.

Ex: «Uma cidade é como um animal»

John Steinbeck

«Serrano era como um pai, por isso lhe queria tanto.»

José Rodrigues Migueis

«Aquela nuvem é veloz como um barco à vela.»

José Gomes Ferreira

Outros exemplos: Ele parece uma torre. Ela assemelha-se ao mel. Ele lembra o Hércules.

 

Catacrese 06/01/2007

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:59 am

16 -Catacrese

Recursos expressivo a nível semântico

Metáfora lexicalizada que resulta na falta, numa determinada língua, do chamado termo próprio para designar um determinado objecto.

Ex: pé da mesa; boca do poço.

 

Cacofonia 05/01/2007

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:29 am

15 – Cacofonia:

Recursos expressivo a nível fónico

Repetição ou encontro de sons desagradáveis num segmento textual, tanto em verso como em prosa.

Ex: O Porto é melhor que a Gaia toda (ouve-se o Porto é melhor cagai-a a toda)

Quero um autógrafo desses (quero um autógra fodesses)

E aposto como deves saber mais uma série infinita de cacofonias destas :P

 

Assonância 04/01/2007

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 2:29 pm

14 – Assonância

Recursos expressivo a nível fónico

Processo poético que consiste na repetição ordenada dos mesmos sons vocálicos.

Ex: «cavalgadas do mar longo»

Sophia de Mello Breyner

Christian Simonian

 

Assíndeto 15/12/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 9:14 am

13 – Assíndeto:

Recurso expressivo a nível da sintaxe

consiste na supressão das conjunções coordenativas

Ex:«Fulgem as velhas almas namoradas…

-Almas tristes, severas, resignadas

de guerreiros, de santos, de poetas.»

Camilo Pessanha

 

Apóstrofe 14/12/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 9:11 am

12 – Apóstrofe:

Recurso expressivo a nível semântico

  • Consiste em interpelar alguém feito através do uso do vocativo e do estilo directo (raramente em frases do discurso indirecto)
  • Invocação de alguém real ou imaginário por parte do emissor

Ex: «Oh retrato de morte, oh Noite amiga»

Bocage

«E vós Tágides minhas, pois criado

Tendes em mim um novo engenho ardente.»

Camões

 

Antonomásia 13/12/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 9:09 am

11 – Antonomásia:

Recurso expressivo próprio da retórica

Figura pela qual se substitui um nome próprio de um ser por um epíteto, ou por uma qualidade que define esse ser de um modo inconfundível;

Ex: o Poeta para designar Camões

 

ou o processo inverso: substituição do nome comum por um nome próprio de alguém que se tornou protótipo da qualidade ou circunstância que se quer significar:

Ex: um Camões para indicar que alguém é poeta.

«Mil relógios, mil fivelas,

 Que aos Adónis muitas deram.» (formoso)

Nicolau Tolentino

Esta figura é uma das modalidades da sinédoque.

 

Antítese 10/12/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:45 am

10 – Antítese:

Recursos expressivo a nível semântico

Apresenta um contraste entre duas ideias evidenciando pela oposição das palavras ou das frases que as designam. Este recurso é  um dos preferidos dos poetas portugueses (e dos alunos que muito gostam de o enfiar em qualquer análise poética) :lol:

Ex: «Saiba morrer o que viver não soube»

Bocage

«Aquela triste e leda madrugada»

Camões

«Coitado! que em um tempo choro e rio

espero e temo, quero e aborreço,

juntamente me alegro e entristeço,

de uma coisa confio e desconfio.»

Camões

 

 

Antifrase 09/12/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:42 am

9 – Antifrase

Recursos expressivo a nível semântico

Figura pela qual se exprime uma coisa através de um termo de significado oposto i.e. consiste em empregar uma palavra/frase de sentido oposto ao que se quer comunicar

Ex: Cabo da Boa Esperança para o Cabo das Tormentas.

 

 

Antanáclase 08/12/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:31 am

8 – Antanáclase

Recursos expressivo a nível semântico

Repetição de uma palavra com sentidos diferentes. Joga-se muito com a homonímia neste recurso expressivo.

Ex: Em vão os deuses, vãos, surdos e imotos.»

Camões

Carol Werner

 

Anástrofe 02/12/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:09 am

7 – Anástrofe:

Recursos expressivo a nível da sintaxe

É o tipo de inversão que consiste na anteposição do determinante ao determinado ou na inversão da ordem lógica dos elementos da Frase .

Ex: «Vingai a pátria ou valentes

Da pátria tombai no chão.»

Fagundes Varela

«Qual vermelhas as armas faz de brancas.»

Camões

 

Anáfora 01/12/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 8:16 am

6 – Anáfora:

Recurso expressivo a nível sintáctico

É a repetição da mesma palavra ou palavras no início de vários versos ou frases sucessivos. Aaparece às vezes, como único recurso para exprimir a intensidade de uma ideia. Traduz uma insistência dinâmica e activa em oposição à epífora, que sugere sobretudo passividade, renúncia aceitação.

Ex: «O vento das árvores o vento dos cabelos

O vento do inverno o vento do verão

O vento é o melhor veículo que conheço.»

Ruy Belo

Wassily Kandinsky

 

 

Anadiplose 30/11/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 5:24 pm

5 – Anadiplose:

Recurso expressivo a nível da estrutura

Consiste na repetição da palavra final de uma frase ou de um verso, no início da frase ou verso seguinte. Muitas lengalengas servem-se deste recurso expressivo.

Ex: «Anos, velhice, desgraça – e teima.

Teima até ao caixão.»

Raul Brandão

Natasha Westcoat


 

Anacoluto 29/11/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 10:43 am

4 – Anacoluto:

figura de sintaxe ou frase quebrada

Mudança de estrutura sintáctica no meio da frase, para pôr em relevo a ideia primordial que temos em mente, destacando-a como uma espécie de título do que vamos dizer.

Ex: «Eu, parece-me que sim.»

Mário de Sá Carneiro

 

Alternância 28/11/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 10:36 am

3 – Alternância:

Recurso expressivo a nível da estrutura

Consiste em alternar palavras ou conjuntos de palavras para criar um certo ritmo.

ex: « ou se tem chuva ou não se tem sol

ou se tem sol e não se tem chuva»

Cecília Meireles

Gordon Wiltsie

 

Aliteração 25/11/2006

Filed under: recursos expressivos — jacky @ 9:59 am

2 – Aliteração:

 

Recurso expressivo a nível fónico

 

Repetição dos mesmos sons conânticos* em palavras de um verso ou de uma frase; tendo como resultado um efeito fónico harmonioso.

 

Ex: «Na messe que enlourece, estremece a quermesse…»
Eugénio de Castro

Neste verso, há uma repetição do som S

«Um moço loiro, lento, lânguido que se curvava em silêncio diante dela.»
Eça de Queirós

Nesta frase, há uma repetição do som L

* onde se lê conânticos :lol: deverá ler-se consonânticos. Não sei como comi aqui uma sílaba e juro que não foi de propósito! Obrigada São Rosas, estás sempre de olho onde deves :P

Stephen St John

 

 
Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 56 outros seguidores